Espaço Aberto - artigos da área jurídica

Gustavo Rocha

Ciência Política

 
05 de outubro de 2011, às 07h13min

Sun Tzu e o Marketing Jurídico

 
Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas. (Sun Tzu)

 

Um dos princípios do marketing jurídico – senão o maior princípio do marketing jurídico – é conhecer o mercado. Mas, conhecer o mercado sem conhecer o seu negócio, pouco adianta. Sem ter convicção de si (negócio) e mais o mercado, impossível vencer no universo corporativo.

Vamos analisar os dois elementos:

Conhecer o negócio

Você vai dizer que conhece o seu negócio, afinal, sabe o que vende/serviço. Isto é o suficiente?

Claro que não. Conhecer o seu negócio é mais além.

Para conhecer o seu negócio você precisa de indicadores. Você precisa saber até onde sua empresa pode crescer. Você precisa conhecer seus produtos de forma individualizada, com foco no seu cliente.

Não basta apenas se conhecer porque vive durante vários anos. Conhecer-se significa estar em sintonia com o mercado, com a vida e igualmente com o seu foco (cliente interno e externo).

Conhecer o mercado

Não basta conhecer a si mesmo e seus meandros. Precisamos conhecer quem está a nossa volta, o que faz, como faz, quais seus diferenciais. Não precisamos ver como uma ameaça, mas sim como um movimento. Se nossos concorrentes estão indo para tal situação, podemos avaliar se para nós será útil fazer ou não o mesmo movimento.

Enfim,

Ou conhecemos a nós, nosso negócio e o mercado ou estamos ficando a margem deste, perdendo batalhas e quiçá a guerra!

______________________________________________

Artigo escrito por Gustavo Rocha – Diretor da Consultoria GestaoAdvBr

www.gestao.adv.br | gustavo@gestao.adv.br

 

Consultor nas áreas de gestão e tecnologia estratégicas
 
 

ARTIGOS MAIS LIDOS
13 de outubro de 2014, às 14h55min
Os advogados usam muita energia para aclamar mudanças, mas foco mínimo para operacionalizar qualquer possibilidade de atuação ética.
ARTIGOS MAIS COMENTADOS
13 de outubro de 2014, às 14h55min
Os advogados usam muita energia para aclamar mudanças, mas foco mínimo para operacionalizar qualquer possibilidade de atuação ética.